Janela Indiscreta

Este blogue foi recomendado pelo Pedro Rolo Duarte no seu programa Janela Indiscreta, da Antena 1, a 28-07-2010.
A história chegou ao fim, foram 42 episódios ao longo de meio ano. Mas ela está cá toda, é só consultar o arquivo do blogue, começando em Julho de 2010. Ou escolha o episódio que quiser, utilizando a caixa de pesquisa, aqui ao lado.
À laia de motivação, aqui fica a republicação do 1º Episódio.

27 de outubro de 2010

31º Episódio

Enquanto eu tentava lembrar-me de um outro subterfúgio, o clone compôs a repa, que, na sua irritação, já se lhe tinha soltado, e acrescentou mais calmo:
“Como eu, porém, o respeito muito doutor, permito-lhe recolher-se a um canto da sala na companhia do Sr. Kornflock. Dois minutos!”
“Obrigado... meu Führer.”
Levantei-me, aproximei-me do Sr. Kornflock, que ainda não se tinha mexido, apontei para o canto atrás dele e pedi-lhe:
“Se não se importa…”
O diabo do homem limitou-se a olhar-me irritado. E não se mexeu. A criatura avisou:
“O tempo já corre!"
Apercebi-me de que Sr. Cebolo fixava atento o seu relógio. Tornei a dirigir-me ao Kornflock:
“Peço-lhe, por favor!”
O alemão levantou-se finalmente. Enquanto nos deslocávamos ao canto em questão, comecei a duvidar que fosse aquela a pessoa mas indicada para expor a minha ideia. Dava-me melhor com o Cebolo ou o Lacucaracha, mas o primeiro era agora o conselheiro mais próximo da criatura e o segundo não se encontrava sob pressão, dado possuir um aspecto que, além da cor da pele, não diferenciava muito do seu Führer. Esperava, por isso, que o Sr. Kornflock, que se encontrava numa situação deveras precária, fosse mais receptivo aos meus argumentos. Além disso, para mim, ele era ainda o comandante.
Chegados ao canto, o homem sibilou-me:
“Mas que circo é este, Professor? Perdeu a consciência de si mesmo?”
“O clone vai longe demais”, sussurrei-lhe. “Ou acha que o devemos deixar eliminar uma grande parte da comunidade que tanto confia nele?”
“Quer o senhor dizer que considera contestar uma ordem do Führer?”
Meu Deus, mas será possível incutir bom senso num fanático? De repente, tive uma ideia:
“Aquele não é o Führer!”
“Como?!”
“É apenas uma cópia... uma cópia mal feita. Trata-se de uma criatura completamente confusa. Possui certamente características do antigo Hitler, mas parece não saber bem como há-de actuar para...”
“Afinal, onde é que o senhor quer chegar, Professor?”
Respirei fundo e resolvi arriscar tudo:
“Eu, na qualidade de criador do clone, sinto-me no direito de o devolver ao estado de coma artificial. Acho mesmo que lhe faria bem... talvez lhe arrumasse as ideias. Entretanto, nós, como pessoas civilizadas que somos, poderíamos reflectir sobre os próximos passos...”
“O Führer foi bem decidido e claro naquilo que disse. Não me apercebi de nenhuma criatura confusa, como o senhor lhe chama. Sendo assim, resta-nos vergarmo-nos aos seus desejos!”
“Mas o senhor não entende que a sua própria vida está em perigo?”
Nisto, o clone berrou:
“O tempo está quase a acabar!”
“Apenas o Führer”, sibilou-me o Sr. Kornflock, “possui o poder de tomar decisões. Não tenho a menor dúvida de que dominará o mundo. E se ele acha que eu, por qualquer motivo, não deverei estar presente nesse momento de glória, lá terá as suas razões.” Os olhos humedeceram-se-lhe, mas não de tristeza e, sim, de orgulho, pois acrescentou firme: “Submeto-me à sua vontade suprema!”
Dito isto, regressou ao seu lugar, deixando-me sozinho naquele canto. Sozinho e totalmente consternado. Depois de uns segundos de perplexidade, em que todos os presentes me observavam, resolvi regressar também à minha cadeira. A Chanel lançou-me um olhar cheio de interrogações e eu limitei-me a passar a mão pelos cabelos, despenteando-os ainda mais.
“Tudo bem consigo, doutor?”
A criatura soava desconfiada e eu balbuciei:
“Sim... tudo em ordem.”
“Ainda bem. Não me agradaria ter que prescindir da minha equipa médica.”
Pelos vistos, e apesar de eu ser maior e mais robusto do que ele, o homem tencionava poupar-me a vida.

6 comentários:

jota disse...

O clone deve achar que é um professor da primária de antigamente, quem o contesta vai para o canto, só faltam as orelhas de burro. :)

antonio - o implume disse...

Também nós cedemos a nossa qualidade de vida para eleger Cavaco, como é real este episódio.

Kássia disse...

:)))

Rafeiro Perfumado disse...

Então quietinho, é da maneira como é quase tudo eliminado e depois os outros são dominados à cabeçada!

Daniel Santos disse...

o fanatismo está em todo o lado.

Zé Povinho disse...

Gente submissa? Há muita por aí, e por isso ainda temos ditadorzecos.
Abraço do Zé