Janela Indiscreta

Este blogue foi recomendado pelo Pedro Rolo Duarte no seu programa Janela Indiscreta, da Antena 1, a 28-07-2010.
A história chegou ao fim, foram 42 episódios ao longo de meio ano. Mas ela está cá toda, é só consultar o arquivo do blogue, começando em Julho de 2010. Ou escolha o episódio que quiser, utilizando a caixa de pesquisa, aqui ao lado.
À laia de motivação, aqui fica a republicação do 1º Episódio.

15 de setembro de 2010

19º Episódio

O que a Dra. Luninski me murmurou ao ouvido, logo varreu qualquer fantasia erótica da minha cabeça:
“Sou de origem judaica.”
“Ai, valha-nos o mais sensível dos microscópios!”
“O meu avô levava a sua religião muito a sério e fez questão de pôr todos os seus netos a par do holocausto. Acontece que ele morreu quando eu tinha apenas oito anos e eu nunca mais tinha pensado nisso. Por isso me custou lembrar-me de toda a história.”
“Não torne a referir tal coisa, nem sequer em sonhos! Sabe-se lá do que estes meliantes seriam capazes, caso se apercebessem disso?”
Depois de um curto silêncio, ela afirmou:
“Para lhe ser sincera, estou a ficar ansiosa para começar a trabalhar. O projecto em si é interessante.”
O perfume que lhe vinha do decote tornou a desnortear-me. O que era esquisito, pois normalmente não gosto de aromas doces. Para me desviar do percalço, olhei para o relógio:
“Devíamos dormir um pouco, antes de começarmos, a noite já vai adiantada... Se bem que aqui tanto faz dormir de dia como de noite.”
“Onde é o meu quarto? Aquela jarra russa disse...”
“Aquela jarra chama-se Olga!”
“Oh!” Olhou-me cínica. “Vocês os dois já são íntimos…”
Corei inexplicavelmente.
“Qual quê? Eu só acho que cada pessoa, seja ela maluca, ou mesmo criminosa, tem um nome que se deveria usar. E ela disse que era a primeira porta à direita. Vamos ver!”
Depois de um primeiro exame, a Dra. Luninski disse:
“Parece confortável.”
“A comida também é boa. Uma vez mergulhada no trabalho, a gente até se esquece que é prisioneira e tem que ajudar um bando de fanáticos a dominar o mundo.”
Ela sorriu.
“Uma coisa é certa: uma noite excitante como esta nunca eu a teria na discoteca, por mais picantes que os sujeitos fossem.”
Deveria sentir-me lisonjeado? Apenas lhe desejei:
“Durma bem!”
Quando caí na minha cama, notei quão cansado estava e dormi como uma pedra. Acordei perfeitamente revigorado, tomei um bom banho, barbeei-me e fiz o maior esforço por me pentear em condições.
Podia finalmente dar início ao famoso projecto! Estava ansioso por tornar a ver a... por trabalhar com a Dra. Luninski.

8 comentários:

antonio - o implume disse...

É claro que com tanta referência a decotes e outras reminiscências eróticas, isto tem que evoluir nessa área. Não se pode defraudar o leitor.

Kássia Kiss disse...

;)

Mas tens que ter paciência...

Comigo é assim!

Mar Arável disse...

Aguardo os próximos

apeadeiros

Daniel Santos disse...

uma verdadeira química... gostei.

miguel dias disse...

Gostei muito do blog

Se não se importa aproveito para promover o meu recente blog onde exponho os meus desenhos www.thesearemydrawings.blogspot.com
vejam e comentem

obrigado

Há.dias.assim disse...

Vim espreitar a história...

Meste Hirão disse...

Fantástico. Uma série de espionagem e com ingredientes picantes.
Fico á espera da continuação.

Rafeiro Perfumado disse...

E conseguiu adormecer?!?